sábado, 16 de fevereiro de 2008

7) Um Milhão de tiros na tela, um chefe gigantesco...e só um lugar para escapar... Especial Shooters - Parte 2


E estamos de volta para mais um post metido a besta!!!

Na edição anterior dei início a esse especial homenageando os clássicos shooters, que ultimamente são um pouco negiglenciados pelos consoles da nova geração, comentando sobre o que eu considero a obra-prima máxima do gênero. Mas, temos vários outros jogos do gênero que merecem todo o respeito a admiração desse que vos fala, e vários deles serão citados agora. Os jogos estão separados de acordo com a plataforma:


1) NES


Top Gun -
Esse jogo da Konami (tá vendo, a Konani já é velha nesse mercado) foi o primeiro desse estilo que eu joguei. Ele veio embarcado no sucesso do filme, e para aquela época (1987), era realmente impressionante, fazendo você se sentir realmente no cockpit de um caça. Vejam o número de detalhes que vc tinha na tela. Além disso, o jogo não se baseava apenas em atirar em todos os caças, submarinos e navios inimigos: em determinados momentos do jogo, era preciso abastecer o seu caça em pleno ar (direcionando a mangueira de combustível antes que o tempo acabe) e a inda pousar no seu porta-aviões ao final de cada missão. E ainda possuia uma das melhores apresentações de jogos da era NES.


1942 -
Para aqueles que pensam que só agora as grandes produtoras pensaram em produzir games baseados na Segunda Grande Guerra, aqui está a prova de que isso não é verdade! Tudo bem que aqui ela só serve de desculpa para voce guiar seu aviao pelas 32 fases do jogo atirando emtodos os inimigos que aparecerem e desviando dos seus tiros, mas vai me dizer que não é um bom motivo??:) Piadas a parte, esse jogo foi uma das maiores garantias de diversão em casa na minha infância...




Tiger Heli -
Outro jogo que embalou vários momentos felizes da minha infãncia e pré-adolescência. Possui um dos gráficos mais belos do NES (as texturas apresentadas pelo jogo davam uma impressão de tridimensionalidade maravilhosa) e a parte sonora é igualmente legal. O jogo acompanhava o console Top Game da CCE (um dos vários "clones legalizados" do Nintendinho produzidos no Brasi, por conta da chamada "reserva de mercado" na década de 80) e, por vezes, era subestimado. Mas era um dos jogos de tiro mais legais do console.


Gradius II -
A Série Gradius transcendeu todas as "fases" do video-game desde o Arcade (Gradius, Gradius II), passando pelo NES (Gradius I e II) SNES (Gradius III), PS1 (Gradius Gaiden) e PS2 (Gradius V). Mas foi no seu segundo capítulo que essa série definiu o seu estrelato, mantendo as características do primeiro (os inmigos clássicos, o sistema de power-up do tiro da sua nave), além de uma dificuldade absurda, fazendo milhares de jogadores se desesperarem para chegar ao seu final.


2) Master System



Choplifter - O Concorrente da Nintendo feito pela SEGA eu conheci muito pouco, mas foi o suficiente para destacar pelo menos um jogo do estilo: Choplifter. A SEGA já era gigante nos Arcades (ou fliperamas, se preferirem), e, com o Master System (e depois com o MegaDrive), mostrou a sua excelência também nas conversões dos seus jogos para os seus video-games. E esse é um dos melhores exemplos disso...


3) SNES



Parodius - Non-Sense Fantasy - PAROdy of graDIUS (PAROdia de graDIUS). Essa é a explicação simples, direta e genial de uma das franquias mais ousadas e engraçadas da história dos videogames. Duvida?
- Entre as opções de nave (e, consequentemente, de power-ups) contidas no jogo, temos um pinguim e um polvo;
- Ao contrário da maioria dos jogos do gênero, eese possuia gráficos extremamente coloridos e com apelo totalmente infantil;
- Dentre os chefes de fase, tinhamos: um pinguim gigante cujo ponto fraco era o seu enorme "umbigo"; um navio pirata com cara de gato; uma bela mulher coberta com um lençol; e, o mais absurdo (na minha opinião): um Moai - uma das estátuasda Ilha de Páscoa - em uma banheira de espuma!!!!
Mas não se engane com esse visual "zoado" e totalmente bizarro: Parodius é uma das séries de jogos de tiro mais difíceis existentes!! E ainda garante inúmeras risadas!


R-Type III - The Third Lightning - A Série R-Type é outra extremamente famosa entre os amantes do side-scrooling shooters. Ela estreou nos Arcades, transitou pelo NES, MAster System, Mega Drive, SNES, PSOne, entre outros. Mas o supra-sumo da série é esse jogo. Gráficos arrebatadores, parte sonora magnífica, design das naves inimigas excelente, três diferentes formas de FORCE para escolher e uma dificuldade EXTREMAMENTE INSANA (eu mesmo suei para chegar a terceira fase). É um jogo que vale a pena ser revisitado.


Star Fox - Em meados de 1993 a Nintendo lança essa pérola dos side-scroolings, sendo um dos carros-chefe do seu chip FX, cuja principal função era proporcionar os gráficos poligonais tão alardeados na época. Talvez alguns não achem essa evolução gráfica tão notável, mas saibam que isso na época foi uma grande inovação. Porém, muito do sucesso desse jogo se deve ao carisma de Fox McCloud e de seus fiéis escudeiros Falco Lombardi, Slippy Toad e Peppy Hare (mesmo com grunidos no lugar de vozes...), da jogabiliade extremamente agradável e de sua dificuldade balanceada, transformando esse jogo em um dos carros-chefe da Nintendo até hoje...



4) MegaDrive



Thunder Force IV - Não se pode falar de jogos de nave no Megadrive sem falar em Thunder Force. E o quarto capítulo da saga é o melhor feito até hoje. Dificuldade, design das fases, ritmo, tudo aqui foi elevado ao máximo (e os chefes são uma das coisas mais colossais já vistas), qualificando - o como um dos clássicos do gênero. E pensar que há alguns anos anunciaram (infelizmente sem continuação do projeto) Thunder Force VI para o Dreamcast. Pensem como seria sensacional isso....





Darius II a.k.a. SAGAIA - A Série Darius (ou SAGAIA, com chegou a ser conhecida nos EUA) é uma das mais interessantes, principalmente pelo seu design único dos inimigos (lembrando peixes e outros seres marinhos) e a possibilidade de se escolher vários caminhos para chegar ao final. A dificuldade pode parecer reduzida, mas experimente jogar no modo VERY HARD. Você veráo que é fazer calos nos dedos!!!





Darwin 4081 - Apesar dos gráficos simples e do fato de não ser tão famoso que os citados anteriormente, a temática de sci-fi contida no jogo, somada ao fato da sua nave ser "orgânica", mudando não só de tiro, mas de forma conforme os "power-ups" são coletados ou caso ela seja atingida por tiros inimigos, fazem deste um dos títulos mais interessantes para o Megadrive.





Raiden Trad - Alguns parágrafos atrás eu mencionei a capacidade fabulosa da SEGA em transpor os seus arcades para os seus consoles. E aqui temos mais uma prova disso. Está tudo lá: os gráficos simples, mas extremamente adequados, as opções de armas (represnetados pelos quadrados vermelho - tiros normais - e azul - lasers) e mísseis, os milhares de tiros na tela (e sem grandes slowdowns). É a emoção do fliperama na sua casa!!!


5) PSOne


Einhänder - Se Star Fox foi o percursor dos gráficos poligonais em shooters, Einhänder (assim mesmo, com trema no a) aperfeicou essas características ao máximo, fazendo deste o meu jogo preferido em 3D do gênero (e que manteve a jogabilidade 2D). A trilha sonora é uma das mais inspiradas do gênero (um techno-rock de primeira linha), e que combinava perfdeitamente ocm o climão sci-fi e a dificuldade cabeluda do jogo. E o fato de poder coletar as armas dos inimigos depois de derrotados é uma das idéias mais originais do gênero, incrementando e muito na sua jogabilidade.

Bom, é isso. Existem inúmeros outros jogos que queria mencionar por aqui, mas o espaço é curto. Aguardem agora por mais especiais desse tipo!! Até o próximo post!!!



Um comentário:

Luis Henrique Boaventura disse...

Putz, Thunder Force IV! o/

O visual, as coreas e as luzes, em comunhão com o ritmo descontrolado das coisas na tela, dava a impressão de que, após uns níveis mais elevados, você saía da frente da TV com uns canais a mais abertos no cérebro, tamanho o fluxo de informações e comandos que éramos obrigados assimilar.