sábado, 1 de março de 2008

9) P**ra!!!! P**a-que-p**iu!! Finalmente consegui terminar essa joça - Especial jogos difíceis

10º Post!!!!! Quem diria, hein???

Bom, o post dessa semana será um pouco diferente do que eu tinha planejado. Inicialmente iria voltar aos posts comentando sobre um jogo, entretanto, achei melhor guardá-lo para semana que vem. Isso, por dois motivos: primeiro, porquê o referido jogo (que, por sinal é simplesmente o MELHOR jogo do SNES) combina mais com a próxima semana, digamos assim (não falarei mais porque estragará a supresa); e segundo, porque outro assunto me veio a tona ao elaborar os dois posts anteriores: a dificuladade dos jogos antigos em comparação aos atuais...

Caso você menos de 20 anos, talvez desconheça que existiram jogos com mais 100 fases, sem continues, que precisavam de "cheats" para deixar seu personagem com 30 vidas para virar o jogo, etc. Mas esses jogos existiram! Até meados dos anos 90 (ou seja, na era 16-bits), a indústria dos games, apesar de gerar alguns adorados milhões dólares por ano, não era altamente produtiva como hoje. Além disso, não existia a preocupação de lançar um game absurdamente difícil na época (hoje em dia, a maioria das produtoras são bastante receosas de lançar um jogo difícil, por medo de que ele não vendao suficiente). Além disso, nessa época videogame ainda era coisa de crianças e adolescentes, que inegavelmente possuem muito mais tempo livre para jogar do que nós, que crescemos junto com a geração 8 e 16-bit. Isso sem falar do crescimento dos jogos e jogadores "casuais", que estão conhecendo agora esse maravilhoso mundo de divertimento eletrônico (e que, caso tivessem o seu primeiro contato com "Battletoads", com certeza não achariam a menor graça nisso). Outro fato determinante para isso é que muitos dos jogos conhecidos como difíceis vinham de dois gêneros: os shooters e os beat'em up/hack'n slash. Aliás, foi elaborando esses dois especiais que me veio a idéia de elaborar esse.

Claro que ainda temos algumas empresas que ousam colocar jogos carne-de-pescoço ("Ninja Gaiden" do XBOX é um grande exemplo), mas não se compara ao saudoso NES, conhecido por possuir o maior número de títulos difíceis.

Mas chega de papo! Vamos enumerar alguns dos jogos que fizeram vários jogadores destruir joysticks, consoles, paredes (e as mãos durante esse processo), além de contribuir em muito em calvíceis precoces para muitos. Alguns que foram citados nas duas edições anteriores com certeza entrariam no meu top 10 ou 20 de jogos carne-de-pescoço (A saber: Contra, Battletoads, Gunstar Heroes, Gradius II e Parodius), portanto, não serão citados aqui. Mas temos outros dignos de nota:


1) NES



Ghosts 'n Goblins - Também conhecido como "Ghouls 'n Ghosts", esse jogo de aventura estreou nos arcades e ganhou uma conversão bastante decente para o NES em 1986, onde, claro, se destaca a sua extrema dificuladade. Controlar Arthur (conhecido também como "O Cavaleiro de cuecas') pelas 8 fases, de onde surgem inúmeros inimigos, desviando dos obstáculos, e ainda controlando o pulo duplo (que pode ser extremamente útil, mas que requer uma grande perícia para utilizá-lo adequadamente), tudo isso para salvar a sua amada. Se você quer dificuladade, esse é o jogo certo.



The Simpsons - Bart Vs. The Space Mutants - Qualquer lista de jogos do NES não estaria completa sem esse jogo. Feito no período final de sucesso de NES, em 1991, se "aproveitando" do sucesso da primeira temporada do desenho. O jogo inclusive contou com a supervisão do criador do desenho, Matt Groening, sendo baste fiel a sua fonte original. O resultado: um jogo extremamente divertido e que, apesar de ter apenas cinco fases, foi considerado na época por várias revistas especializadas o segundo jogo mais difícil do NES, perdendo apenas para "Battletoads".



Ninja Gaiden II - O primeiro episódio da série estrelada por Ryu Hayabusa já é considerado um dos grandes jogos do NES, inclusive pela ousadia da Tecno de apresentar um conceito totalmente narrativo e cinematográfico, com várias cenas e diálogos se desenrolando ao final de cada fase. Aqui, a qualidade continua a níveis estratosféricos, a história fica mais genial ainda, prendendo o jogador até o final (que considero um dos melhores de toda a história dos videogames). Chegar ao seu final definitivamente separa os homens dos meninos, por ser uma tarefa hérculea (e que manteve a sua tradiçaõ de dificuldade na sua sequência do XBOX). Consiga esse jogo e se aventure em uma das histórias mais bem elaboradas dos games.



Mega Man III - A série Megaman é uma das mais clássicas e frutíferas dos videogames. E, apesar de marcar presenca em vários consoles, é na Nintendo que ela se identifica mais (o que me leva a uma pergunta: porquê o robôzinho azul não aparece em nenhum jogo da série "Super Smash Bros.", mas isso é uma outra história). E foi no terceiro episódio que a série se consolidou. O esquema do jogo é o mesmo desempre: oito chefes, cada qual no seu ambiente, e uma fase final onde enfrentamos o Dr. Willy. Mas temos um diferencial: nesse jogo, a ordem escolhida para derrotar os inimigos REALMENTE inporta. Caso você não escolha as armas certas para cada inimigo você simplesmente não passa de fase. Não é como os outros jogos da série que é possível derrotar os chefes de fase com a arma comum. Só isso já basta para citá-lo como "difícil".

2) SNES



Actraiser II - O primeiro da série já era extremamente original por juntar num mesmo jogo ação/plataforma e simulação, onde você é simplesmente um Deus e têm que cuidar das civilizações (nas fases de simulação) e derrotar os demônios que ameaçam as cidades (nas fases ação/plataforma). No segundo (e último) episódio da série, a parte de simulação foi suprimida ew jogo ficou um legítimo representante beat'em up. Laém disso, se o primeiro já era extremamente difícil, esse então ficou quase impossível (se vocês conhecem alguém que já zerou esse game, ou já viram algum vídeo no youtube, me avisem!). Eu mesmo não consegui passar da terceira fase (e são 13, se eu não me engano), e não sou nenhum noob nos games. Pena que a Square (que comprou a Enix, produtora do jogo) só pensa em sugar cada vezmais Final Fantasy e se esqueceu dessa pérola.



Spider-Man and Venom - Maximum Carnage - Esse foi lançado também para o Megadrive, e as versões são praticamente idênticas. Só pelo fato da trilha sonora ser assinada por uma das bandas mais legais do rock: Green Jelly, esse jogo já vale a pena. Caso vocês não a conheçam, procurem-na urgente (recomendo o álbum "Cereal Killer"). Mas vamos ao jogo: aqui, você pode escolher entre o nosso amigo da vizinhança e Venom, o brutamontes-simbionte mais adorado pelos fãs de quadrinhos, ambos com interesse em acabar com o Carnage. A jogo é inspirado na série honônima de quadrinhos de 1993, e reproduz fielmente o clima HQ, com cenários extremamente coloridos e animações bem fluidas. Mas, ao contrário dos outros jogos do aracnídeo, esse aqui é uma carne-de-pescoço da melhor (pior) espécie. As últimas fases estão entre as mais apelonas da história dos games. Tudo bem que temos algumas secret-rooms onde você pode coletar vários itens e vidas extras, mas ainda assim esses locais são complicadíssimos de acessar. Caso seja dificudade que vocêesteja procurando, pode arriscar com esse. Mas não vá jogar o controle na parede enquanto estiver jogando, hein? :)



Zombies Ate my Neighbors - Essa é uma pérola perdida na infinidade de jogos do SNES, que quase ninguém conhece. Um dos jogos mais divertidos do console, com um climão que soa como um filme de terror Z da década de 60, graças ao formidável senso de humor, a premissa totalmente absurdfa (de uma hora para outra, mortos-vivos sedentos de cérebro humano e outras criaturas típicas de filmes de terror resolvem assombrar a vizinhança e cabe a um garoto e uma garota solucionarem esse caso, além de resgatar o maior número de vizinhos possível, caso contrário, é game over), além de uma direção de arte fenomenal e de uma igualmente fantástica trilha sonora. as não é só isso: o jogo possui "apenas" 48 fases. E, como isso não bastasse, o que você faz em uma determinada fase traz consequências para a fase seguinte (caso três vizinhos tenham morrido em uma fase, na fase seguinte você terá menos três vizinhos para salvar). Isso não seria tanto problema se você não tivesse que salvar pelo menos um por fase. Um jogo obscuro que merece ser redescoberto!!

3) Megadrive



Kid Chameleon - Uma das formas de analisarmos quanto tempo perderemos para zerar um jogo é saber quantas fases o mesmo possui. Sendo assim, vejamos: Super Mario 3 possui 8 mundos, com mais de 90 fases/estágios; Super Mario World também possui 8 mundos, com 96 fases/estágios; Zombies Ate my Neighbors, como foi dito anteriormente, possui 48 fases. Nos jogos do Mario, você não precisa passar por todas as fases para chegar ao final. Agora, o que você, que entrou para o mundo dos games já na era 32-bit em diante, pensaria se te dissesse que existe um jogo possui mais de 100 fases e 1850 estágios!!??? E, para complicar ainda mais, sem saves!!??? Pois esse jogo existe e se se chama "Kid Chameleon". Pode-se dizer que ele foi a tentativa de reesposta a "Super Mario World", que assombrava na época. O interessante dele é a possibilidade de controlar 10 alter-egos diferentes do personagem (através de máscaras coletadas nas fases) e a sua história, que mesclava realidade virtual e vida real, que estava na moda.



The Adventures of Batman & Robin - A série de quadrinhos "Batman" rendeu uma série de jogos maravilhosos para a geração 8 e 16-bit. esse jogo foi lançado simultaneamente para o SNES e o Megadrive, porém com muitas diferenças. Enquanto que no console da Nintendo a história e totalmente inspirada no desenho animado, com uma ação um pouco mais clássica e algumas etapas envolvendo uma certa dose de raciocínio lógico (especialemente na fase do charada), no Megadrive o jogo se transforma num hack'n slash da melhor qualidade. Os gráficos estão entre os mais bonitos do console, e a ação aqui é tão desenfreada quanto em Gunstar heroes: milhares de inimigos surgem a cada minuto na tela, forçando você a atirar batrangs infinitos para todos os lados. O confronto com o Chapeleiro louco dá a tônica desse game: em um cenário totalmente colorido e psicodélico, você o enfrenta desviando das investidas de sua cartola gigante, além de tomar ciudado com as armadilhas do cenário, que se descola em uma velocidade alucinante. Percebeu o drama? Pois é! Mas podem ter certeza: esse é um dos jogos mais lindos do Megadrive!!!



Jurassic Park - E, para encerrar, temos o jogo de 1993 inspirado no sucesso de dois anos atrás, dirigido por Steven Spielberg. Ao contrário de boa parte dos jogos inspirados em filmes, esse aqui é muito bom. Aqui você têm a opção de jogar com o Dr. Grant (que está no parque e precisa sair vivo de lá) , ou com o velociraptor (nesse caso o objetivo é capturar e matar o Dr. Grant). Jogar com o velociraptor não é tão complicado, mas, caso você queira ser o bonzinho do filme e jogar com o Dr. Grant, você sofrerá e muito. São apenas três vidas, sem direito a encontrar nenhuma outra durante o jogo e sem check points durante as fases. E, jogando com o Dr. Grant, ainda têm o agravante de sofrer dano (ou até mesmo morrer instantaneamente) caso caia de uma altura muito grande. Isso sem contar com os dinossauros que você enfrentará, todos desejando um pedacinho seu.

Com isso terminanos (por enquanto) essa série de especiais temáticos relacionados ao mundo dos games. Semana que vem voltamos aos posts usuais. E você? Acha que ficou faltando algum jogo nessa lista? Acha que algum jogo citado não deveria estar aí? Ou quer dizer alguma ocisa sobre o blog? Não perca tempo: comente a respeito,critique, esperneie, faça-se ouvir. Vamos fazer desse fórum uma grande celebração a esse mundo maravilhoso dos games!!!

Até a próxima e bons jogos!!!!

4 comentários:

Luis Henrique Boaventura disse...

Cara, que interessante, acho que quando falamos no msn outro dia, não foi do mesmo jogo. O JP ao qual você se refere é o Rampage Edition?

A.L.A.S. disse...

Fala, Luís! Não, no caso o JP a qual me referi é o primeiro da série. O Rampage Edition foi lançado um ou dois anos depois...

Luis Henrique Boaventura disse...

Hehe, então foi por isso. Não joguei o primeiro, mas o Rampage é um dos meus games favoritos de sempre. Duvido, aliás, ter explorado 70% daqueles cenários.

Tales disse...

Boa Noite. Eu já zerei (facil até) o ActRaiser 2.